Intelbras

Notícias

RSS

01/02/12 - Cisco e Intelbras fazem acordo em telefonia IP

A americana Cisco e a brasileira Intelbras firmaram parceria para vender produtos de telefonia IP (baseados em protocolo de internet) a pequenas e médias empresas. O valor do contrato não foi revelado.

Sob o acordo, que será anunciado oficialmente hoje, a Intelbras vai atuar como distribuidora de um produto da Cisco que integra, em um só equipamento, recursos de voz e de serviços de vídeo, conferência e outros.

Paralelamente, a Intelbras vai usar tecnologia da Cisco na produção de aparelhos de telefone e centrais IP. A empresa tem fábricas em São José (SC), Santa Rita do Sapucaí (MG) e Manaus.

Os produtos resultantes da parceria chegam ao mercado a partir de abril.

Do ponto de vista da Cisco - gigante global de equipamentos e software para telefonia IP -, a parceria representa uma forma de ganhar espaço em um segmento em que não está bem posicionada atualmente. Embora tenha uma presença significativa entre as grandes companhias, a Cisco não é muito forte na venda de produtos para pequenas e médias empresas.

"É um mercado que está crescendo muito. Queremos aumentar nossa presença nele", afirma ao Valor o presidente da Cisco no Brasil, Rodrigo Abreu.

Para a Intelbras, o acordo representa uma oportunidade de ter acesso às tecnologias de telefonia baseada nas redes IP. Com sede em Santa Catarina, a empresa foi um nome importante na produção de centrais telefônicas convencionais, mercado que tende a desaparecer.

Hoje, a maior parte dos clientes da Intelbras é formada por empresas que usam até cem ramais. A companhia tem o objetivo de prospectar consumidores de maior porte. "Para isso, precisamos de mais tecnologia", diz Altair Silvestri, presidente da Intelbras.

"Ao mesmo tempo, podemos contribuir bastante com a Cisco com o conhecimento que temos do mercado de pequenas empresas."

Com a parceria, Intelbras e Cisco pretendem atuar em um segmento constituído por empresas que tenham até 250 usuários de telefonia fixa. Segundo estimativa de Abreu, trata-se de um nicho que movimenta mais de US$ 200 milhões por ano no Brasil e abrange aproximadamente a metade do mercado de telecomunicações empresariais no país.

"O Brasil ficou muito tempo no sistema tradicional de telefonia (conhecido como TDM), por isso existe um grande potencial para o desenvolvimento do IP", afirma o presidente da Cisco. O executivo observa que a telefonia IP já é dominante entre os grandes clientes. "O próximo grande segmento a adotá-la é o de pequenas e médias empresas", diz.

Fonte: Valor Econômico 01/02/12



1 2 3 4 5 6 7    >    >>
Fechar Para: